Serviços Avançados

  • Permite obter valores superiores de células totais nucleadas e de células estaminais hematopoiéticas CD34+ nas unidades de sangue do cordão umbilical a criopreservar. Reporta-se um acréscimo na ordem dos 15% no número total de células criopreservadas relativamente ao processamento clássico.
  • Permite ainda criopreservar outros tipos de células estaminais presentes no sangue do cordão umbilical, nomeadamente as VSEL.
  • O aumento de células criopreservadas aumenta também a probabilidade de sucesso de um transplante.
  • A amostra é guardada em dois sacos de criopreservação, permitindo utilizar apenas um dos sacos em Medicina Regenerativa, guardando o outro saco para um transplante hematopoiético.
As amostras são guardadas em dois sacos de criopreservação com dois compartimentos, aumentando o número de células disponíveis para aplicação clínica. Sendo as amostras guardadas em dois sacos de criopreservação, é possível usar apenas um dos sacos em Medicina Regenerativa, guardando o outro saco para um transplante hematopoiético.
Sim, optando pelo Serviço Avançado do sangue do cordão umbilical, existe a possibilidade de criopreservar outros tipos de células estaminais, nomeadamente as “Very small embryonic-like stem cells” (VSEL). As VSEL são uma população heterogénea de células estaminais não hematopoiéticas, muito semelhantes às células estaminais embrionárias, pluripotentes, com elevado potencial em Medicina Regenerativa.
Sim, podem, desde que o volume de sangue do cordão umbilical colhido no momento do parto seja adequado. Na eventualidade de não haver volume suficiente que permita realizar o Serviço Avançado, os pais serão devidamente alertados, podendo optar pelo Serviço Clássico do sangue do cordão umbilical.
Atualmente, existem estratégias terapêuticas (algumas já aplicadas na clínica, outras ainda em estudo) para melhorar o sucesso de um transplante quando se recorre a uma amostra de sangue do cordão umbilical que não apresenta a dose celular recomendada para o tratamento. Algumas dessas estratégias incluem a coadministração de células estaminais hematopoiéticas do sangue do cordão umbilical com células estaminais mesenquimatosas da geleia de Whärton do tecido do cordão umbilical, pelo que é vantajoso proceder à criopreservação do tecido do cordão umbilical. Se optar pelo Serviço Avançado do sangue do cordão umbilical e pela criopreservação do tecido do cordão umbilical está, não só, a criopreservar o máximo de células estaminais possível presentes na amostra de sangue do cordão umbilical, como também está a guardar as células mesenquimatosas do tecido do cordão umbilical, importantes como coadjuvante no transplante hematopoiético e com elevado potencial de aplicação em Medicina Regenerativa.
Não. O kit Criovida que deve entregar aos profissionais de saúde no dia do parto é exatamente o mesmo. Deve apenas assinalar no contrato fornecido com a documentação, o tipo de serviço que pretende.